SAÚDE

Saúde é «um estado de completo bem-estar físico, mental e social, total, e não apenas ausência de doença ou de incapacidade», Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

A FLVida tem desenvolvido projetos e ações que pretendem melhorar as condições de vida das famílias do distrito do Dondo, intervindo em setores chave como a nutrição, a vacinação e prevenção do HIV/Sida, Malária e Tuberculose. Assim, as intervenções realizadas pela Fundação inserem-se nos programas do Governo Moçambicano e nos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio para a área da Saúde. As atividades desenvolvidas centram-se na Educação para a Saúde e na Prestação de Cuidados Médicos e de Enfermagem.

 

CENTRO DE SAÚDE E SERVIÇO MATERNO-INFANTIL (SMI)
Em 2007, a construção e abertura do Posto de Saúde foi um projeto ambicioso e muito importante para grande parte da população do distrito do Dondo. Em média, por dia, são atendidos cerca de 100 utentes, entre crianças, adultos e idosos. A malária, a tuberculose pulmonar, as diarreias e as doenças sexualmente transmissíveis como o HIV/Sida, a gonorreia e a sífilis, representam grande parte dos casos acompanhados neste Posto de Saúde.

A equipa do Posto de Saúde é constituída por uma Enfermeira e uma Ativista.

Em 2009 foi inaugurado no Posto de Saúde o Serviço Materno-Infantil (SMI) com o objetivo de melhorar o atendimento e acompanhamento às grávidas e crianças.

Em 2011, o Centro de Saúde teve um louvor do Governador da Beira, tendo sido por ele considerado o melhor Centro de Saúde da Província de Sofala. A Fundação ambiciona o alargamento e crescimento deste serviço por forma a melhorar e complementar o atendimento à população.

 

PROJETO RUFARO
Em 2013 arrancou na FLVida o Projeto RUFARO em parceria com a FEC (Fundação Fé e Cooperação) e a UCM (Universidade Católica de Moçambique) e co-financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian.

Este Projeto consistiu na melhoria da nutrição e do estado de saúde, e no aumento do rendimento familiar através de um modelo sustentável de rentabilização agrícola. Todas as crianças que frequentavam a FLVida e as famílias que integravam este Projeto beneficiavam dele diretamente.

As famílias eram acompanhadas de perto nas suas machambas (hortas) pela equipa técnica e pelo consultor agrícola da UCM, recebiam formação específica nas áreas da nutrição, higiene e segurança alimentar e técnicas agrícolas e recebiam sementes e material de cultivo. Desta forma a qualidade e quantidade de produtos era muito maior sendo que: 1) as famílias podiam não só melhorar e diversificar a sua alimentação, como aumentar o comércio dos seus produtos e consequentemente o seu rendimento, e 2) uma parte dos produtos ia diretamente para o refeitório da FLVida para serem confecionados nas refeições diárias distribuídas às crianças.